Glossário genético

Aborto espontâneo.
Fim precoce de uma gravidez, antes de uma altura em que o bebé consiga sobreviver fora do útero materno.
Aconselhamento genético
(ou assessoramento genético). Informação e apoio que deve ser oferecido às pessoas preocupadas com uma doença que pode ter causa genética.
ADN.
Substância química que compõe os genes e que contem as instruções necessárias para o funcionamento do nosso corpo.
Amniocentese.
Um teste que é usado para retirar uma amostra de líquido amniótico para testar os genes ou os cromossomas do bebé que vai nascer. O feto está rodeado de líquido (amniótico) no útero. Esse líquido contem algumas células da pele do feto. Uma pequena amostra do líquido é retirado com uma agulha fina, através da pele do abdómen (barriga) da mãe. O líquido é enviado para o laboratório para ser testado.
Árvore familiar.
Um diagrama que mostra quem tem ou não tem a doença genética e como as pessoas da sua família estão relacionadas consigo e umas com as outras.
Assessor genético
(consultor ou aconselhador genético). Especialista não-médico que, nos países onde existe, fornece informação e apoio (aconselhamento genético) às pessoas preocupadas com doença que pode ter uma base genética.
Autossomas.
Temos 23 pares de cromossomas. Os pares 1 a 22 são designados autossomas e são iguais no homem e na mulher. O 23º par (cromossoma X e cromossoma Y) é diferente no homem (XY) e na mulher (XX) e por isso designado heterossomas ou cromossomas sexuais.
Autossómicas dominantes
(doenças genéticas). Doenças (ou outras características) nas quais basta a pessoa herdar uma cópia alterada de um gene (mutação) para ser afectada ou poder vir a ser afectada mais tarde pela doença. O gene mutado é dominante em relação ao gene normal.
Autossómicas recessivas
(doenças genéticas). Doenças (ou outras características) em que a pessoa tem de herdar duas cópias alteradas de um gene (mutação) para ser afectada pela doença (um gene mutado de cada um dos pais). Uma pessoa que tenha apenas uma cópia alterada do gene será portadora para a doença recessiva, não podendo nunca ser afectada.
Autossómico.
Relativo aos autossomas, os cromossomas não-sexuais. Diz-se dos genes que estão situados nos cromossomas dos pares 1 a 22.
Biopsia das vilosidades coriónicas.
Um teste realizado durante a gravidez para retirar células que permitam testar os genes e cromossomas do feto para uma doença genética específica. Um pequeno número de células são extraídas da placenta em desenvolvimento e enviadas para análise no laboratório.
Cariótipo.
Descrição da estrutura dos cromossomas de um individuo, incluindo o seu número exacto e o tipo de cromossomas sexuais (XX ou XY), assim como qualquer variação do seu padrão normal.
Célula.
O corpo humano é formado por milhões de células, que servem como tijolos numa construção. Células de diferentes partes do corpo têm aparência diferente e fazem coisas diferentes. Cada célula (excepto os óvulos, na mulher, e os espermatozóides, no homem) tem duas cópias de cada gene.
Concepção.
A junção de um óvulo com um espermatozóide, que faz a primeira célula do novo embrião.
Cromossoma em anel
Termo utilizado quando os extremos de um cromossoma se juntam e este forma um anel.
Cromossoma X.
Um dos cromossomas sexuais. As mulheres habitualmente têm dois cromossomas X, enquanto os homens têm um cromossoma X e um cromossoma Y.
Cromossoma Y.
Um dos cromossomas sexuais. Os homens têm habitualmente um cromossoma Y e um cromossoma X, enquanto as mulheres têm dois cromossomas X.
Cromossomas sexuais
(ou heterossomas). O cromossoma X e o cromossoma Y. São estes cromossomas que controlam se uma pessoa é homem ou mulher. As mulheres tem dois cromossomas X. Os homens tem um cromossoma X e um Y.
Cromossomas.
Estruturas semelhantes a uma fita, que podem ser observadas ao microscópio e que contêm os genes. O número normal de cromossomas nos seres humanos é 46. Herdamos um conjunto de 23 cromossomas da mãe e outro conjunto de 23 cromossomas do pai.
de novo.
Termo usado para descrever uma nova alteração num gene ou num cromossoma (por exemplo translocação de novo), que ocorre pela primeira vez numa pessoa, ou seja, ambos os pais dessa pessoa têm cromossomas normais (por vezes escrita em itálico, para indicar que é latim, embora se escreva do mesmo modo em português).
Delecção.
Perda de uma parte do material genético; o termo pode ser usado para descrever quer uma área em falta num gene, quer num cromossoma (delecção cromossómica).
Diagnóstico pré-natal.
Teste realizado durante a gravidez, para determinar a presença ou não de uma doença genética no feto.
Doença congénita.
Doença que está presente logo ao nascimento, e que pode ser ou não genética, mas que muitas vezes não é hereditária.
Doença genética.
Doença causada por uma alteração num gene ou cromossoma.
Doença hereditária.
Doença que é herdada (passada através da família).
doença ligada ao sexo.
Ver doença ligada ao X.
Doença ligada ao X.
Doença genética causada por uma mutação (alteração) num gene do cromossoma X. São exemplos de doenças ligadas ao X, a hemofilia, a distrofia muscular de Duchenne e o síndrome do X-frágil. duplicação. Repetição anormal de uma sequência de material genético num gene ou cromossoma.
Ecografia.
Um teste indolor que usa os ultra-sons para criar uma imagem do feto em desenvolvimento, durante uma gravidez. É realizado geralmente passando a sonda ao longo da pele do abdómen (barriga) ou, por vezes, por dentro da vagina.
Embrião.
A primeira fase do desenvolvimento humano, após o ovo (ou zigoto), e até ao final da 8ª semana após a fecundação. O embrião desenvolve-se a partir da primeira célula, durante as primeiras fases da gravidez. Surge após a fecundação de um óvulo com um espermatozóide, para formar o ovo (ou zigoto). Ainda está longe de se assemelhar a um bebé, mas é constituído pelas células que irão dar origem ao futuro bebé. Os embriões precoces, obtidos por fertilização in vitro, podem desenvolver-se fora do útero materno durante alguns dias.
Esfregaço.
Teste recomendado a todas as mulheres para verificar alguma anomalia nas células do colo (abertura) do útero.
Espermatozóide.
A contribuição do pai para a primeira célula (ovo ou zigoto) que dará origem ao futuro bebé. Cada espermatozóide contem 23 cromossomas, um cromossoma de cada um dos pares de cromossomas do pai. O espermatozóide funde-se com um óvulo para fazer uma célula completa com 46 cromossomas. O futuro bebé irá desenvolver-se a partir desta primeira célula.
Feto.
Período do desenvolvimento intra-uterino que vai desde o fim da fase de embrião até ao recém-nascido, ou seja, desde a 9ª semana após a fecundação até ao nascimento.
Gene.
Informação necessária para o nosso corpo funcionar, armazenada sob uma forma química (ADN) nos cromossomas.
Genético.
Causado pelos genes, que diz respeito aos genes.
Heterossomas.
O mesmo que cromossomas sexuais: o cromossoma X e o cromossoma Y. Assim chamados por, ao contrário dos outros pares, serem diferentes entre si; a mulher é XX, enquanto o homem é XY). Ver também autossomas.
Heterossómico.
Relativo aos heterossomas. O mesmo que ligado ao sexo.
Inserção.
Introdução de material genético adicional num gene ou cromossoma.
Inversão.
Alteração da sequência dos genes ao longo de um dado cromossoma.
Mutação.
Alteração num gene (ou, num sentido mais lato, também num cromossoma). Por vezes, quando um gene é mutado, a sua informação pode ser alterada e não funcionar devidamente. Isso pode causar um doença genética.
Ovários.
Órgãos do corpo da mulher que produzem os óvulos.
Ovo (ou zigoto).
A primeira célula de um embrião, resultante da concepção ou fusão de um óvulo com um espermatozóide e que dará origem ao futuro bebé.
Óvulo.
A contribuição da mãe para a primeira célula (ovo ou zigoto) que dará origem ao futuro bebé. O óvulo contem 23 cromossomas, um cromossoma de cada um dos pares de cromossomas da mãe. O óvulo funde-se com um espermatozóide, para fazer uma célula completa com 46 cromossomas. O futuro bebé irá desenvolver-se a partir desta primeira célula.
placenta.
Órgão que assenta na parede interior do útero da mulher grávida. O feto recebe o sua nutrição através da placenta. A placenta cresce do ovo fertilizado, e por isso tem habitualmente os mesmos genes do feto.
Portador (de uma translocação cromossómica).
Uma pessoa com uma translocação equilibrada, em que nenhum material cromossómico foi acrescentado ou perdido, não sendo normalmente afectada por isso.
Portador (de uma translocação cromossómica).
Uma pessoa com uma translocação equilibrada, em que nenhum material cromossómico foi acrescentado ou perdido, não sendo normalmente afectada por isso.
Portador.
Uma pessoa que geralmente não é afectada pela doença nesse momento, mas tem uma cópia alterada de um gene responsável por ela. No caso de uma doença recessiva, nunca será afectada; no caso de uma doença dominante, geralmente virá a sê-lo mais tarde, dependendo da doença em causa.
Resultado “negativo”.
Diz-se habitualmente do resultado de um teste que mostra que a pessoa testada não tem a alteração que se procurou nesse gene (mutação).
Resultado “positivo”.
Diz-se habitualmente do resultado de um teste que mostra que a pessoa testada tem uma alteração nesse gene (mutação).
Teste genético.
Um teste que pode ajudar a identificar se existe uma alteração num determinado gene ou cromossoma. É normalmente uma análise ao sangue ou a outro tecido. Para mais informações, pode consultar o panfleto “O que é um Teste Genético?”.
Teste preditivo.
Teste genético para uma doença que pode vir ou virá a desenvolver-se no futuro. No último caso, quando é quase certo que uma doença hereditária se vai desenvolver mais tarde, caso a pessoa tenha a mutação, também é chamado habitualmente teste pré-sintomático.
Teste pré-sintomático.
Ver teste preditivo.
Translocação equilibrada.
É uma translocação em que nenhum material cromossómico foi perdido ou acrescentado, mas apenas rearranjado. Uma pessoa com uma translocação equilibrada normalmente não é afectada.
Translocação recíproca.
Translocação que ocorre quando dois fragmentos de cromossomas diferentes se rompem e trocam de lugar.
Translocação robertsoneana.
Translocação que ocorre quando um cromossoma se funde com outro cromossoma.
Translocação.
Rearranjo do material genético, que acontece quando um pedaço de um cromossoma rompe e se liga a outro cromossoma. Ver folheto sobre “Translocações Cromossómicas”.
Translocações desequilibradas.
Uma translocação em que o rearranjo dos cromossomas provoca perda ou excesso de material genético, ou ambos simultaneamente. Pode surgir em crianças cujo pai ou mãe tenham uma translocação equilibrada.
Translucência da nuca.
Uma ecografia à parte de trás do pescoço do feto, onde normalmente há um espaço preenchido com líquido, no início da gravidez. Se o feto tiver uma doença congénita (tal como o síndrome de Down), esse espaço pode ter um tamanho anormal.
Útero.
A parte do corpo da mulher dentro da qual o embrião e depois o feto crescem durante a gravidez.
Vagina.
A ligação do útero da mulher com o exterior; o canal por onde o bebé nasce.
XX.
Representa os cromossomas sexuais habituais numa mulher. As mulheres normalmente têm dois cromossomas X, sendo um herdado do pai e outro da mãe.
XY.
Representa os cromossomas sexuais habituais num homem. Os homens normalmente têm um cromossoma X e um cromossoma Y. O homem herda um dos dois cromossomas X da mãe e o cromossoma Y do pai.

Outros glossários genéticos e outra informação podem ser encontrados nos seguintes locais:

Orphanet
(sítio da Internet de livre acesso, com informação sobre doenças raras e medicamentos orfãos, com links a associações de doentes em toda a Europa, em inglês e português)
www.orpha.net

EuroGentest (sítio da Internet de livre acesso, com informação sobre testes genéticos)
www.eurogentest.org

Centro de Genética Preventiva e Preditiva (CGPP) - IBMC
www.cgpp.eu

Sociedade Portuguesa de Genética Humana
www.spgh.net

Colégio de Genética Médica – Ordem dos Médicos
www.ordemdosmedicos.pt

Credits

Revisão do texto e tradução de Jorge Sequeiros

Agosto 2008

Modificado a partir de um glossário originalmente produzido por London IDEAS Genetic Knowledge Park.

Este trabalho foi apoiado por EuroGentest, uma rede de excelência europeia do 6º Programa Quadro da União Europeia (FP6 NoE, contract number 512148).

Not all the leaflets are available in every language.

Select another language:

About EuroGentest
About Us
FAQ
Credits
LinkedIn
Policies
Privacy
Disclaimer
Accessibility
Standards Valid XHTML 1.0 Transitional Valid CSS!
Advertising
European Union
Contact Information
EuroGentest
Center for Human Genetics
University of Leuven
Herestraat 49 Box 602, 3000 Leuven, Belgium
webmastereurogentestorg, Tel: +32 16 340321, More...

Copyright EuroGentest2 Coordination Action 2011 - EU Contract no.: FP7 - HEALTH-F4-2010-261469